19/10/2018


. Sobre cansaço .



O cansaço cala, diminui, enlouquece, mas ao mesmo tempo nutre nele todas as possibilidades. O cansaço existe pois existe também a tentativa. Ele anda de mãos dadas com o amor, com a paixão, com tudo que tira da gente o melhor e maior esforço possível. Só se cansa quem tenta, quem vive. Só se cansa quem não desistiu. #devaneiosdemadrugada #alinenetto #cansaço

17/10/2018


. Sobre Frustração .




O sentimento de frustração tem ocorrido com frequência. O bebê chora, as ideias estacionados, os planos em segundo plano. E assim toda e qualquer coisa fica para depois.

Daí eu tento me encontrar em mim mesma depois de tanta sonolência, tanto choro e fralda. É normal, eles dizem, eu sei que sim. Mas já passou pela cabeça de alguém que o que a gente quer é ser acolhida e não frases feitas de quem não sabe o que a gente está passando? Acho que não.

E frustração é um sentimento fudido, é impotência junto com sei lá o quê, vai fazendo você ter raiva misturada com tristeza, vai fazendo você querer ficar sozinha longe do caos, vai fazendo você querer se isolar. Mas você não pode. Tá ali a responsabilidade, aquela que você sempre quis, a que você se preparou até e acha até que está no lucro. Mas quem é que aguenta privação de sono?

Nem você e nem eu.

. Sobre Mudanças .



Já não existe mais aquela parte que prezava pela estética literária, não existe perfeição na tentativa de unir palavras que façam sentido para os outros, não mais, nunca mais. O turbilhão da alma é diferente, não é mais por amor, é por auto conhecimento. Não quero mais visibilidade, quero ser crua, quero desabafar, desabar. Tudo mudou dentro de mim: os sonhos, as prioridades, a alma. A solidão vem ambígua, une a vontade de entender o que se passa na própria alma sozinha com a vontade de ser acolhida por alguém que entenda. Nesses tempos esquisitos, uma onda de amor me fez mudar completamente, e essa mudança me faz vir aqui, mais uma vez, para soltar palavras ao vento. E na verdade, hoje, não me importa que você leia e goste; o que me importa sou eu mesma. 


#devaneiosdemadrugada #alinenetto#mudança

17/09/2018


. Sobre a solidão materna .

Muito da solidão materna se dá por conta das pessoas enxergarem a mãe não como protagonista do acontecimento, mas mera participação figurante na vida do bebê.
Quando na verdade mãe e bebê são uma simbiose, ambos são necessários pra que a maternagem ocorra. Não faz sentido perguntar apenas sobre o bem estar do bebê, já que caso o bem estar da mãe não aconteça, o bebê perde a referência de tudo o que saudável para ele.
Logo, não torne essa mãe invisível ao seu interesse e convívio, não deixe de perguntar do bem-estar dessa mãe.
A gente aprende muito sendo mãe sim, mas essa percepção eu capto há anos observando amigas e parentes. A mulher que é mãe não deveria ser tão marginalizada quanto é. A gente não deixa de ser o que era antes como dizem, a gente acrescenta essa nova experiência na nossa vida pra se melhor ou não.
Ignorar essa mãe não vai abrir portas pra que vc se aproxime do bebê dela.
Da próxima vez que quiser perguntar a uma mãe como está o bebê dela, lembre-se de dar oi a ela pelo menos, lembre-se de se interessar pelo que ela está passando. E se não te interessa essa mãe, não deveria te interessar o filho dela também.
Reflita sobre suas atitudes, o momento pede. Política também é refletir sobre as relações que você cultiva na vida.

05/04/2018


. Tudo mudou .

Mudou muito, mudou tudo. E o que vem com essa mudança é uma mistura de todos os sentimentos. E dá um medo. Medo de errar nas coisas bobas, medo de não confiar mais em mim mesma, medo de tudo ir por água abaixo, medo.

E refletindo e conversando com algumas pessoas percebi que é um medo que não é só meu, é um medo que assola por parecer que todo o mundo está jogando a gente pra esse abismo, essa breu. Um medo que faz a gente preferir não pensar em nada ou recorrer a cheiros e lugares familiares para fazer tudo passar. E creio que é isso mesmo, se entocar no abraço de quem a gente ama, nos cheiros de quem a gente quer bem.

Pro medo ir embora, pro medo passar, e para naquela noite mais fria, a gente dormir quentinho no abraço da pessoa ao lado ou no nosso abraço mesmo.

01/11/2017


. Você deveria .

Você deve estar aí me lendo, você disse que me lia sempre para recordar tudo aquilo que passou.

Você deve estar aí na mesma realidade que eu, tão diferente de tanto tempo atrás.

Você deve estar se perguntando porque cacetes não tomou aquela decisão importante no outro dia, você deve estar pensando em tudo que poderia estar fazendo a essa altura.

Você deve estar aí pensando em mim.

Você não está.

E eu também não.

28/10/2017


. Parei .

Eu parei, né? Parei aqui nessa contra mão que a gente chama de vida e permaneço sem me mover. É algo que espanta, que prende e não enternece nenhum coração covarde. Eu parei, pois não faz sentido continuar andando e ao mesmo tempo permaneço no incômodo do dia a dia.
Não é mais sobre amor, é sobre sobreviver a todo o sistema ao nosso redor. Não é mais sobre como será, é sobre como é.
E na verdade ninguém entende. Ninguém tem a empatia suficiente e assim ninguém vai poder ajudar a desafogar todas as lágrimas que descem do rosto.
Não é sobre tudo que se quer, é sobre o que se tem. Meio torto, aturdido, mas seu, apenas seu. Aquilo que você vê pela manhã no espelho e que é imutável por meses e anos.
Não é mais sobre os outros, é sobre você.

22/07/2017


. É engraçado mas não devia .

É engraçado e acho que não devia ser, passar a vida inteira buscando um determinado ideal de vida e apenas, sempre e tão somente, se decepcionar no meio do caminho. Ou até mesmo quando se alcança esse ideal.

É incrivelmente previsível o tanto de gente que não tem tido o menor interesse em compreender o outro, e falo por mim, que sou atacada todo dia de ser incompreensível e bem da verdade sou mesmo é incompreendida.

Não sei se consigo muito mais do que estou conseguindo hoje. Cansei de esperar que as pessoas se toquem, mesmo que eu dê tal toque, cansei de não me sentir bem e acolhida nos lugares e por quem deveria.

Dói né? Mas as pessoas preferem achar que o problema é do outro e não seu. Os meus eu trato, é bem verdade, mas enquanto ninguém olhar para si mesmo, sempre vai ter um eu incompreendido, deslocado, sem sentir pertencimento onde deveria.

É que o vazio que as pessoas produzem para as outras, a falta que elas sabem dar, elas acreditam que são os outros que produzem. Ninguém quer ser responsável pela infelicidade alheia, essa é a verdade. Porém, quando alguém te disser que você não ouve, que você não faz o que deveria, que você só enxerga o defeito do outro, tente ao menos refletir sobre. Pois talvez, o que você veja no outro, é tudo que você não está vendo em si mesmo.
 
Desvaneios de Madrugada - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
imagem-logo